O setor de energia solar sente o impacto do Covid-19 e ainda assim prevê crescimento de 260%

We Brazil Energy - Placas de energia solar - foto: Roberto Cardillo
We Brazil Energy - Placas de energia solar - foto: Roberto Cardillo

O setor de energia fotovoltaica teve uma parada abrupta em decorrência à pandemia que assolou o mundo, afetando a importação, distribuição e a expansão do mercado.  A rápida escalada do Covid-19 pelo mundo atingiu diversos setores causando um efeito devastador na economia global.

De acordo com o CEO da We Brazil Energy, todos os setores estão passando por dificuldades, o de energia fotovoltaica não é diferente, porém, a empresa tem na criatividade a principal aliada. “A gente tinha uma programação grande estabelecida com algumas fábricas quando começou. Focamos no trabalho home office e temos investido muito em marketing com toda a equipe comercial focada em vendas futuras, dando condições especiais a nossos clientes e parceiros. Também estamos buscando negociações junto aos nossos fornecedores para melhores condições de pagamento, além de desenvolver e incrementando ferramentas tecnológicas para assistência à distância aos franqueados”, explica Alex.

Alex conta ainda que as fábricas chinesas já tem disponibilidade de embarque, mas ainda não na velocidade que ofereciam anteriormente. “Algumas fábricas estão 95% automatizadas na produção, então a retomada é mais rápida. O que pode afetar a decisão de novos pedidos, além da disponibilidade das fábricas, é a disparada do dólar globalmente, em reação aos efeitos da crise do vírus e da queda de  preço do petróleo. Não é só a questão cambial, os equipamentos fotovoltaicos podem encarecer ou ao menos desacelerar sua queda de preços por causa do Covid-19”, conta.

O gerente de engenharia da We Brazil Energy, Sílvio Carnieri, explica que o mercado de energia fotovoltaica é totalmente dependente da China, mesmo que existam fabricantes também no Brasil, Estados Unidos e Alemanha. “Para que as vendas sejam viáveis e vantajosas, os custos precisam ser equilibrados. O custo da produção nacional, por exemplo, chega a 25% a mais que o importado. Alemanha e EUA, dentre outros, poderiam suprir essa demanda, mas o custo se torna inviável para o mercado ainda mais com a alta do dólar.”

Sílvio acrescenta ainda que mesmo com tais obstáculos, o mercado enxerga uma projeção de crescimento no setor. “É esperado um crescimento de 260% na geração distribuída solar fotovoltaica em comparação ao volume anual de 2019”, diz Sílvio. Esse número foi divulgado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), que acrescentou embora a crise atinja também o mercado de energia solar, o setor ainda deverá gerar mais de 120 mil empregos no ano, além de novos investimentos privados que poderão ultrapassar a cifra de R$ 19,7 bilhões este ano.

We Brazil Energy:                                
Inaugurada em 2015, a We Brazil Energy, empresa especializada em importação e distribuição de equipamentos fotovoltaicos, entrou no mercado de franquia e atingiu a incrível marca de crescimento que bateu 800% desde a abertura.  Com um modelo de franquia inovadora na área de energia solar, a rede traz lojas padronizadas, com treinamento e controle de estoque oferecido pela franqueadora. Com sede em Campinas, São Paulo, a empresa tem como objetivo contribuir para a ampliação dos investimentos em energia fotovoltaica no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui